Translate

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Crivella pede apoio do povo do Rio, ‘sofrido e valente’, para corte da verba do carnaval

Por Redação Carnavalesco

Durante a inauguração do posto de Saúde Animal, em Bangu, na manhã desta sexta-feira, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, pediu que a população da cidade entenda o corte da verba para o Carnaval 2018 e citou que o momento é difícil, mas necessário para garantir a saúde e educação.

– É uma decisão difícil, complicada. O Dória em São Paulo também terá que tomar. Vocês sabem que são pais de família. Mas se tiver que escolher entre uma festa e o tratamento de saúde da sua família, você também terá que tomar uma decisão difícil e adiar a festa. Não adianta fazer a festa e adiar a catarata da mãe, porque faltou os recursos que gastamos na festa – disse o prefeito durante o evento acompanhado pelo jornal O Globo.

Crivella emendou e pediu que a população apoie o corte para o carnaval.

– Nesse momento de dificuldade, eu peço ajuda ao meu povo do Rio de Janeiro, a minha gente sofrida e valente, que nos ajude e apoie nos momentos que temos que priorizar a educação e saúde.


Subvenção da Intendente Magalhães será repassada para iniciativa privada, diz jornal

Por Redação SRzd

Após a polêmica sobre a redução da subvenção para as escolas de samba do Grupo Especial e da Série A, o valor pago pela Prefeitura do Rio aos desfiles na Intendente Magalhães será repassado para patrocinadores privados, segundo informou a coluna “Gente Boa”, do jornal “O Globo”. O mesmo irá acontecer com os blocos de rua, no chamado “Projeto Carnaval”.

As alterações estarão no caderno de encargos do Carnaval de rua, que será lançado pela Riotur na próxima sexta (30).

Ainda segundo a coluna, uma das propostas é a instalação de um telão na praia de Copacabana, onde serão exibidos os desfiles dos blocos e das escolas de samba. “Tudo com espaço para os patrocinadores”, disse o presidente da Riotur, Marcelo Alves.


Fonte: www.srzd.com

Feijoada e Roda de Samba da Tia Surica

Porque amar é fundamental.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Cozido da Portela recebe Bebeto e Marquynhos Sensação no próximo sábado

Por GRES Portela



Ainda em clima de festa pela conquista do título do Carnaval 2017, a Portela promoverá mais um evento imperdível no próximo sábado (24), a partir das 13h. É o Cozinho da Portela, que será animado por shows completos de Bebeto, Marquynhos Sensação e do grupo Soul Mais Samba, que fará a abertura.

Conhecido por misturar samba, pagode e pop com outros ritmos, o Soul Mais Samba mostrará canções autorais e clássicos. "Som do Tambor", "Cabelo Duro" e "Oração" são alguns dos sucessos que não vão faltar.
 
Em seguida, quem sobe ao palco é Marquynhos Sensação. Dono de uma voz poderosa, ele vai relembrar hits como "Sentimento Nu", "Preciso Desse Mel", "Pra Gente Se Encontrar de Novo", "Coral de Anjos", "Meu Sorriso" e muitos outros. 

O encerramento da festa será com Bebeto, o Rei dos Bailes.  Aos 40 de carreira, o cantor brindará o público com um passeio pelos grandes sucessos de sua trajetória. "Essa Menina", Minha Preta", "Praia e Sol", "Jéssica" e "Menina Carolina" são algumas das canções com lugar garantido no repertório.

Bom demais, não é? Comida boa, cerveja gelada e música da melhor qualidade! Então, convoque os amigos e garanta seu lugar no Cozido da Portela. O ingresso de pista custa R$ 20 (lote promocional). No dia do evento, o preço sobe para R$ 25. A quadra da Portela fica na Rua Clara Nunes 81, em Madureira. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones 99815-1515, 96465-4561 ou 99825-0441.

Serviço:
Cozido da Portela
Data: Sábado, dia 24 de junho
Horário: A partir das 13h
Local: Quadra da Portela
Endereço: Rua Clara Nunes 81, Madureira
Classificação etária: 18 anos
Informações: 99815-1515, 96465-4561 ou 99825-0441

Ingressos: 
Pista no lote promocional (limitado): R$ 20
Pista no dia do evento: R$ 25
Mesas com quatro cadeiras: R$ 140
Camarote inferior (15 lugares): R$ 500
Camarote superior (15 lugares): R$ 700

OBS: Sócio-torcedor do plano Majestade do Samba entra de graça

Vendas antecipadas
- Quadra da Portela (10h às 17h30) - Telefone: 3256-9411
- South Madureira Shopping
- South Centro - Rua do Ouvidor 167
- South Shopping Tijuca
- South Nova América
- South Botafogo - Rua Voluntários da Pátria 144
- South Norte Shopping
- South Barra Shopping
- South Plaza Shopping - Niterói (taxa de R$ 5)
- South Grande Rio - Caxias (taxa de R$ 5)
- South Bangu Shopping

Portela - Enredo Carnaval 2018

 
 
De Repente de Lá Pra Cá e Dirrepente de Cá Pra Lá...
Rosa Magalhães
 
Minha gente, se prepare
Que essa história vale a pena,
Tome assento, se acomode,
E vejam quem entra em cena
E quem sai, e onde se passa,
Onde termina, ou começa,
De onde vem ou se destina.

E por mais que cause espanto
os fatos que ora apresento
quem achar que isto é mentira
que vá ao Google e confira,
verifique e leia atento,
pois se ficou no passado
não foi menos registrado.

E assim já lhes adianto
que tem a ver com exílio,
mudança de domicílio,
com fuga e, logo e portanto,
com saudade do lar distante,
vida incerta de imigrante
mas esperança no horizonte.
Pra Pernambuco formosa
rica de açúcar e gente doce,
holandeses cobiçosos
chegaram como se fosse
sua própria casa ocupar,
abrindo porta e porteira
pra quem quisesse trabalhar.

De Portugal, perseguidos,
judeus lá foram aportar
fugindo da Inquisição,
que lhes proibia praticar,
no país sua religião.
Deixaram tudo pra trás
pra poder viver em paz.

Anos e anos depois,
Portugal reconquistou
a linda terra nordestina,
e sem dó logo expulsou
os judeus de triste sina,
que se dividiram em três
e de lá partiram de vez.

Uns seguiram pra Holanda,
sonhando com o amanhã;
outros foram pro Caribe,
mais perto, tentar a sorte;
outros pra Nova Amsterdã,
lá na América do Norte
– e quase encontraram a morte
 
Esses últimos, coitados,
pelo meio do caminho
foram cruelmente atacados
‘cê nem imagina por quem:
um navio de piratas
do Caribe cobrando prata
e ouro pra tudo acabar bem.

Muitos anos se passaram.
Os ingleses conquistaram
aquela terra, e o povoado
de judeus e brasileiros
ganhou nome venerando
famoso no mundo inteiro:
Noviórque, é isso mesmo
Que você ‘tava pensando.

E quando, muito mais tarde
a França deu de presente
a Estátua da Liberdade,
em seu pedestal foi gravado
um poema da descendente
de um daqueles imigrantes
vindos do Brasil no passado.

No poema, tão bonito,
é como se a Estátua falasse
com os exilados aflitos,
sofridos, refugiados,
e a sua chama os guiasse
com generosa bondade
para o belo portão dourado
da Paz e da Liberdade.
 
 
Teaser

 
 
Sinopse

 
 
fonte: GRES PORTELA
 


terça-feira, 20 de junho de 2017

Presidente da Liesa rebate Crivella e diz que repasse de 2 milhões para escolas não foi ‘euforia’

Por Guilherme Ayupp

O presidente da Liesa, Jorge Castanheira, reprovou em entrevista ao site CARNAVALESCO as declarações do prefeito do Rio, Marcello Crivella em que ele afirma que o repasse de R$ 2 milhões da Prefeitura para as escolas de samba teriam acontecido em um momento de euforia e que por isso agora precisaria realizar o corte em 50% da subvenção.

A entrevista de Crivella não repercutiu bem na Liesa e por esse motivo Jorge Castanheira decidiu cancelar a reunião marcada com o presidente da Riotur, Marcelo Alves, que estava marcada para o fim da tarde desta segunda. Castanheira afirma que o encontro perdeu o sentido após as declarações do prefeito.

– Não faria sentido nosso encontro e por isso liguei cancelando. O prefeito afirmou que foi em um momento de euforia o repasse no ano passado e que não pretende voltar atrás em sua decisão. Primeiro que não se trata de euforia e segundo que já foram dois carnavais com o valor aumentado, desde que o governo do estado não pode mais colaborar. Eu sigo aguardando um contato direto com o prefeito para que possamos mostrar a ele a importância desse dinheiro para as escolas e a manutenção do espetáculo na Marquês de Sapucaí. Enquanto ela não acontecer não faz sentido nenhuma tomada de decisão – disse Castanheira em entrevista ao CARNAVALESCO.

As escolas de samba e a Liesa divulgaram um manifesto em que ameaçam não desfilarem se o repasse da prefeitura realmente sofrer um corte de 50%. Por outro lado o prefeito reitera que não irá voltar atrás em sua decisão.


‘Eduardo Paes dobrou a subvenção como medida eleitoreira’, diz Crivella ao justificar redução de verba do carnaval

Por Redação Carnavalesco

O prefeito do Rio de Janeiro Marcello Crivella voltou a falar na noite desta segunda-feira sobre a polêmica decisão de reduzir de R$ 2 milhões para R$ 1 milhão o valor da subvenção para as escolas de samba do Grupo Especial. O político conversou com seguidores em uma rede, através de um vídeo ao vivo, e afirmou que o aumento recente da subvenção foi uma medida ‘eleitoreira’ do seu antecessor Eduardo Paes, que dobrou o valor repassado para as escolas antes do desfile de 2016. Segundo Crivella, o valor volta ao patamar anterior e que se encaixa ao orçamento da prefeitura e voltou a explicar a questão envolvendo as creches.

– O subsídio que a prefeitura sempre deu para escolas de samba era de R$ 1 milhão. São 12 escolas (hoje são 13), chegamos ao valor de R$ 12 milhões. No ano passado, ano eleitoral, a prefeitura dobrou esse repasse. Se você olhar a arrecadação de tributos, o aumento não seguiu na mesma tendência. O que eu percebi era que precisávamos dobrar mesmo a merenda de nossas crianças das creches conveniadas. Nós temos mais de 15 mil crianças que hoje são cuidadas pela prefeitura. Cada uma custava R$ 10 por dia. O que a lei diz é que a cada 4 crianças é necessário um professor. Cada um tem um salário de R$ 2 mil, logo cada criança deveria contribuir com R$ 500. Se essa criança tem uma diária de R$ 10, ao fim do mês chegamos no valor de R$ 300. Se só o professor custa R$ 2 mil, onde fica o dinheiro de alimentação, iluminação e atividades culturais? O que era preciso aumentar era o valor das creches e não do carnaval, me desculpem. Minas Gerais e São Paulo já pagam mais de R$ 20 por criança e o Rio só dez. Tomei essa decisão de regressar os recursos que o carnaval sempre obteve. É uma questão de justiça social. Três dias de festa podemos fazer com o recurso que sempre fizemos. 365 dias de creche são prioridades na minha gestão – disparou.

Eduardo Paes aumento a subvenção das escolas de samba no final de 2015 com vistas para o desfile de 2016. Na ocasião as agremiações haviam sido notificadas que a Petrobras e o governo do estado deixariam de contribuir com os desfiles. Na conversa com a população pela internet Crivella não falou sobre o dinheiro das escolas da Lierj e da Liesb.


Investir no Carnaval é investir no Rio

Porque amar é fundamental.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Crivella diz que não volta atrás no corte da verba do Carnaval 2018

Por Redação Carnavalesco

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, confirmou na manhã desta segunda-feira, em entrevista ao programa CBN Rio, que não voltará atrás na decisão de cortar 50% da verba do Carnaval 2018.

Crivella disse que a Prefeitura do Rio voltou ao orçamento de anos anteriores do carnaval e que o aumento dado anteriormente ajudou na crise econômica que vive a cidade.

– Não posso voltar atrás. O que estamos fazendo é voltar ao orçamento do carnaval aos anos anteriores de 2016, quando teve aumento no momento de euforia. E deu no que deu. Olha só as dívidas que a cidade do Rio de Janeiro se debate. Essas crises não são para nos deixar desanimados. São cólicas redentoras, animadoras. Vamos sair desse crise para dias muito melhores – disse o prefeito.




Nada feito: Riotur e Liesa adiam reunião mais uma vez

Por Redação SRzd

O esforço da Prefeitura do Rio e da Riotur é criar canais de diálogo com a Liesa e as escolas de samba do Rio. O presidente da Riotur e o presidente da Liga Independente das Escolas de Samba, Jorge Castanheira, se conhecem há mais de 20 anos. Esta boa relação é considerada um dos trunfos para diminuir a fervura entre as partes após o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, ter dito semana passada e reafirmado nesta segunda-feira (19) que não abrirá mão do corte de 50% de subvenção que o poder público municipal transferiria para cada escola de samba. A reunião que seria realizada nesta segunda na nova sede da Riotur, na Barra da Tijuca, foi adiada para uma outra data ainda a ser acertada.

A justificativa oficial do adiamento foi devido à distância física entre as sedes da Riotur e da Liesa, que fica no Centro da cidade. Nesta segunda, o presidente da Riotur, Marcelo Alves, participou de uma transmissão ao vivo pelo Facebook em que falou que, ao contrário do que muitos imaginam, a prefeitura somente fatura R$ 90 milhões com o Carnaval e se fosse transferir 100% da subvenção do ano passado, teria que despender R$ 24 milhões, o que faltaria para a gestão de outras atividades relacionadas ao objeto social da empresa.



Fonte: www.srzd.com

Presidente da Riotur pede planejamento de marketing para o carnaval e diz que prefeitura fica em média com R$ 90 milhões dos R$ 3 bilhões que giram na folia

Por Redação Carnavalesco

O presidente da Riotur, Marcelo Alves, participou de uma bate-papo ao vivo na página da Prefeitura do Rio de Janeiro no Facebook e frisou que acredita em um entendimento com a Liesa e demais escolas de samba. E defendeu um planejamento de marketing para o carnaval.

– Essa polêmica está sendo até favorável. É o momento que estamos pensando esse projeto que é o desfile das escolas de samba. As marcas querem participar dos desfiles, mas querem retorno, e a Liesa precisa dar propriedade para gerarmos mais receitamos e que o carnaval triplique de potência. Em nenhum momento, a prefeitura está contra o desfile. Queremos triplicar essa potência, com geração de empregos e de visibilidade da cidade. Temos que entender com seriedade e responsabilidade o momento que assumimos. A arrecadação vem diminuindo muito. Não houve redução, mas uma atualização dos valores. O acréscimo para R$ 2 milhões veio em 2015. O que o prefeito Crivella fez foi atualizar e deixando o carnaval dentro das condições que a prefeitura suporta. Todas secretarias e contratos da prefeitura foram revistos e negociados. Estamos trabalhando apertados – disse.

Sobre o valor de R$ 3 bilhões que o carnaval 2017 gerou, o presidente da Riotur explicou que para a Prefeitura do Rio o retorno é de R$ 90 milhões.

– O carnaval gera um impacto econômico, mas não é receita. Ele gira R$ 3 bilhões e a prefeitura tem uma porcentagem nisso, que em média é de 3%, ou seja, a prefeitura tem uma participação de R$ 90 milhões. O restante dos impostos é do governo federal e estadual. O que fica para prefeitura efetivamente é um terço. Independente disso, a prefeitura entende que é o maior espetáculo da terra. A prefeitura investe R$ 55 milhões para Liesa, Lierj e Liesb, mas temos outros custos como a Comlurb, luz e água. É o momento das escolas repensarem. O desfile varia em torno de R$ 8 milhões. Não é possível repensar e renegociar com fornecedores. O momento é esse de cortar custos. Não tenho dúvida que vamos achar um caminho. A relação com a Liesa é ótima. Em poucas dias, nós vamos achar outras e boas soluções. O presidente da Liesa é muito profissional.

Marcelo Alves confirmou que a Série A e os grupos da Intendente Magalhães também vão passar por cortes nas verbas para o Carnaval 2018.

– Haverá atualização. Estamos fazendo contas. Estou levando isso ao prefeito para chegarmos na porcentagem desse corte na Série A e nos grupos da Liesb.


domingo, 18 de junho de 2017

Escolas de samba não concordam em ter caderno de encargos para regular o desfile 2018

Por Redação SRzd

Há anos a Riotur atualiza o Caderno de Encargos e Contrapartidas para o Carnaval de Rua. É uma orientação para as empresas que desejem apresentar proposta de patrocínio para a estrutura dos desfiles de uma forma global, não sendo aceitas propostas por localidades ou por blocos.

O documento fica disponível para retirada na Diretoria de Operações da Riotur (Praça Pio X, 119/12º andar, Centro), e a entrega dos projetos de patrocínio costuma ocorrer até o dia 30 de setembro de cada ano. No caso dos blocos, são permitidas no máximo quatro empresas patrocinadoras, sendo uma financiadora master e três financiadoras de apoio.

Segundo a própria Riotur, ainda no governo Eduardo Paes, “a empresa habilitada se encarrega da produção, desenho, confecção, instalação, montagem, locação de materiais e equipamentos, bem como manutenção e remoção, e de toda a infraestrutura necessária para a realização do Carnaval de Rua, de acordo com projeto e cronograma estabelecidos pela Riotur”.

De acordo com o poder público municipal, “as propostas deverão apresentar a quantidade mínima de 16.000 banheiros químicos e no mínimo 60 contênieres sanitários em logradouros públicos que estejam no percurso de grandes blocos, além de se responsabilizar pela manutenção e limpeza permanente de ambos. Esses contêineres deverão ter uma pessoa que seja responsável pela manutenção e controle de portas e ficar ao menos 20 dias em cada local. Também são exigidos no caderno de encargo: diárias de controladores de tráfego, faixas, cones, painéis eletrônicos e galhardetes de sinalização de trânsito; postos médicos e diárias de UTI móvel; o credenciamento de sete mil promotores de venda; um projeto de coleta seletiva e destinação ambiental de resíduos sólidos; a proteção de canteiros e monumentos; um projeto de programação visual e divulgação do Carnaval de Rua 2016, com criação de marca, folheteria específica, aplicativo mobile e hotsite bilíngue a ser hospedado em www.rioguiaoficial.com.br, entre outros itens. As avenidas Graça Aranha, no Centro, e Princesa Isabel, em Copacabana, deverão ganhar decoração especial – sem, no entanto, fazer qualquer menção ao patrocinador.”

A Prefeitura se faz presente oferecendo os serviços das Secretarias de Saúde e de Ordem Pública, Comlurb, Guarda Municipal e CET-Rio. Os percursos dos desfiles dos blocos são fornecidos pela Riotur, após a emissão das autorizações finais. Da mesma forma, a Riotur também irá estabelecer os locais onde serão instalados os banheiros químicos e definir a distribuição dos controladores de trânsito. A CET-Rio fornecerá os padrões para confecção da sinalização de trânsito. As UTIs móveis deverão estar de acordo com as resoluções em vigor do CBMERJ e em conformidade com a Vigilância Sanitária do município.

Estas disposições são encontradas no site da Riotur. É um modelo semelhante de ordenamento que a Prefeitura quer discutir com a Liesa e as escolas de samba. Na visão das autoridades, é uma oportunidade de criar uma base mais profissional e organizada para se buscar patrocínios privados para o espetáculo. Se for bem sucedida, a Riotur acredita que o desfile ganhará musculatura e ficará mais próximo de eventos grandiosos que se realizam pelo mundo. Além de se ter mais transparência de como foi investido o dinheiro do contribuinte.

Gradativamente, conforme os interessados compreendam os “marcos regulatórios”, tudo se acomodará dentro de uma nova realidade, acredita a Riotur. As escolas não veem assim. Não para agora, pelo menos. O que se comenta é que a maioria das escolas já se comprometeu com fornecedores e ficará endividada se não receber a subvenção de R$ 2 milhões.

O problema, pelo que se apreende nas conversas com secretários do prefeito Crivella, é que a prefeitura do Rio não parece inclinada a mudar de ideia quanto ao corte de 50% de subvenção dada às escolas. Mesmo que a reunião entre presidentes de agremiações, o presidente da Liesa, Jorge Castanheira, e o prefeito do Rio nesta semana.

“O Carnaval recebia da Prefeitura R$ 1 milhão por escola, passou a receber R$ 2 milhões, e não houve qualquer melhora, seja na arrecadação do ISS ou na ocupação de hotéis”, disse ao SRzd uma autoridade que pediu para não ser citada para não dificultar a delicada relação da Liesa com o governo municipal.

Jorge Castanheira disse ao SRzd que aceitaria uma proposta “consensual”, mas até o momento o único aceno foi o do presidente da Riotur, Marcelo Alves, pedindo calma e argumentando que o Carnaval será realizado normalmente, mas defende a adoção do “Caderno de Encargos” também para o desfile da Sapucaí. As escolas não recebem bem a ideia.

Além da subvenção de R$ 1 milhão, a prefeitura se compromete a investir na modernização dos sistemas de luz e som da Passarela do Samba, e na instalação de telões. A ideia de Crivella é transferir para o Conselho de Turismo a discussão de se criar um fundo setorial ou a proposta do Caderno de Encargos.

Uma voz muito ouvida entre os patronos das agremiações disse que o segmento não recebe bem ter um Caderno de Encargos e que os blocos também não se sentem à vontade com “este controle”. “Veja o caso da Bola Preta. Eles também correm o risco de não fazer o Carnaval, porque estão com a corda no pescoço”, alertou.


Fonte: www.srzd.com

Desfilaço! Centenas vão às ruas protestar contra corte de verba do Carnaval

Por Redação

Centenas de pessoas foram às ruas na tarde deste sábado, 17, para manifestar descontentamento com a decisão do prefeito Marcelo Crivella de reduzir em 50% a subvenção das escolas do Grupo Especial e também dar menos verba às agremiações dos grupos de acesso.

Representantes de várias escolas, como Portela, Mangueira, Beija-Flor e Grande Rio, realizaram um “desfilaço” em direção ao Sambódromo, que teve concentração na entrada principal do prédio da prefeitura, no Centro do Rio.

– Só nos resta entender que o prefeito não largou o bispo. É uma questão religiosa. É uma busca por esvaziamento do Carnaval como um todo, isso falando de escola de samba. E vai chegar em outros segmentos do Carnaval, a tudo que tiver ligado ao que eles chamam de ‘festa do coisa ruim’ – esbravejou o carnavalesco da Beija-Flor, Cid Carvalho, que participou do ato promovido pela página “Sambistas da Depressão”.


Carnavalesco da São Clemente, Jorge Silveira também reservou o dia de folga para protestar e defendeu a causa citando a relevância social do considerado o evento mais popular do planeta.

– A gente espera o contrário, acreditamos que é o momento de se investir mais. As escolas do Especial têm um número enorme de profissionais. Mas a gente não deve esquecer que esse corte prejudica ainda mais as escolas do Acesso e as da Intendente Magalhães (no Campinho, onde desfilam as agremiações dos grupos B, C, D e E). É necessário que a prefeitura entenda que o Carnaval tem um papel social, cultural e econômico de base fundamental para a cidade. Não é hora de cortar, é hora de investir – reclamou o artista.

“Qualquer pessoa que tem caixinha de isopor sabe a importância da festa”

Coreógrafo da Beija-Flor, Marcelo Misailidis foi outro a participar do movimento em prol da manutenção da verba que a prefeitura dava às escolas – para 2017, cada uma do Especial recebeu R$ 2 milhões.

– É uma afronta ao patrimônio cultural da nossa cidade. Esse embate, essa discussão é importante pra esclarecer a população da importância da festa. É uma festa pra trazer recursos pra cidade. Qualquer pessoa que tem uma caixinha de isopor sabe a importância de uma festa. Não é uma festa que onera os cofres públicos, pelo contrário. Gera riqueza. Os eventos são fundamentais – argumentou.

Segundo a Riotur, o Carnaval deste ano arrecadou para o município cerca de R$ 3 bilhões e atraiu mais de 1 milhão de turistas. Apesar dos números expressivos, o órgão diz não ver motivos para polêmica e promete tentar mais recursos com a iniciativa privada.

Na última quarta-feira, 14, a Liga Independente das Escolas de Samba, a Liesa, suspendeu os desfiles de 2018. A entidade responsável pelos desfiles do Grupo Especial do Rio alega que o corte na verba inviabilizaria a produção do espetáculo.


Para visualizar todas as fotos clique aqui
Fotos: Irapuã Jeferson/Sambarazzo

Fonte: www.sambarazzo.com.br

sábado, 17 de junho de 2017

Grupo Portelamor - Porque amar é fundamental

www.portelamor.com

Secretário de Crivella defende corte de 100% da verba para escolas de samba

Por Redação Carnavalesco

O clima entre a Prefeitura do Rio de Janeiro e as escolas de samba ganhou ainda mais tensão nesta sexta-feira quando o secretário municipal de Conservação e Meio Ambiente, Rubens Teixeira, publicou em sua página no Facebook um texto com uma imagem defendendo o corte de 100% da verba para o carnaval das escolas de samba. A informação foi divulgada pela coluna da “Extra, Extra”, da jornalista Berenice Seara.

– Nem todos os turistas ou cidadãos cariocas que participam do carnaval vão ao sambódromo! A maioria do povo não vai lá. A maioria de quem participa do carnaval vai para blocos de rua e outras programações. Muitos saem da Cidade. Se é um “show” apenas para alguns, seria ótimo a iniciativa privada explorar. Há outras prioridades urgentes que beneficiam a expressiva maioria e que devem ser foco dos gestores sérios – postou o secretário.

Ainda nesta sexta-feira, Rubens Teixeira fez outro post e disse que “tendo em vista a possibilidade da liga das escolas de samba cancelar o desfile de carnaval de 2018, então não teria desfile. Ora, se não vai ter desfile, não precisa da verba que seria destinada ao desfile”.


Confira a nota completa da Riotur sobre o corte na verba do Grupo Especial

Por Redação Carnavalesco

A Riotur esclarece que o remanejamento de uma parte da verba destinada às escolas de samba do Grupo Especial não significa que o município deixará de apoiar os desfiles promovidos pelas agremiações. A medida foi tomada em virtude das limitações orçamentárias que já foram amplamente divulgadas pela imprensa desde o início do ano. A revisão de custos e a redução de gastos também foram adotadas em todos os órgãos e contratos da estrutura direta e indireta da administração municipal.

Diante da crise, deve-se priorizar o que é essencial e nesse momento aplicar recursos na educação e na alimentação das crianças nas creches é primordial.

A prefeitura e a Riotur reconhecem a importância da maior festa popular do mundo, que faz da cidade do Rio de Janeiro um dos principais destinos turísticos no período, gerando emprego e renda para a população. Por esse motivo, o Carnaval carioca continuará recebendo o incentivo e recursos do poder público municipal. O repasse da prefeitura para as escolas de samba para o Carnaval 2018 vai chegar a R$ 13 milhões de reais.

A Riotur já estuda o desenvolvimento de mecanismos para que sejam captados investimentos da iniciativa privada. O lançamento de um caderno de encargos, como já é feito para o desfile de blocos que fazem parte da programação do Carnaval de rua, está sendo avaliado.

É importante ressaltar que o repasse de recursos às escolas de samba não é único investimento da prefeitura para o desenvolvimento e realização do Carnaval. O município tem um gasto anual enorme com a manutenção da estrutura do Sambódromo. Em 2017, só para arcar com os custos da iluminação da Passarela do Samba nos dias de desfile, o município desembolsou R$ 655 mil. Além disso, efetivos dos mais diversos órgãos são mobilizados para garantir o sucesso da operação do evento.

Em suma, não existe motivo para polêmica. O Carnaval do Rio está garantido. E vai continuar sendo o maior espetáculo do planeta.


sexta-feira, 16 de junho de 2017

Sinopse Portela 2018: De repente de lá pra cá, e dirrepente de cá pra lá


Fonte: PortelaTV

Confira sinopse do enredo da Portela para o Carnaval 2018

Por GRES Portela

Enredo: De Repente de Lá Pra Cá e Dirrepente de Cá Pra Lá...
Autora: Rosa Magalhães

Minha gente, se prepare
Que essa história vale a pena,
Tome assento, se acomode,
E vejam quem entra em cena
E quem sai, e onde se passa,
Onde termina, ou começa,
De onde vem ou se destina.

E por mais que cause espanto
os fatos que ora apresento
quem achar que isto é mentira
que vá ao Google e confira,
verifique e leia atento,
pois se ficou no passado
não foi menos registrado.

E assim já lhes adianto
que tem a ver com exílio,
mudança de domicílio,
com fuga e, logo e portanto,
com saudade do lar distante,
vida incerta de imigrante
mas esperança no horizonte.

Pra Pernambuco formosa
rica de açúcar e gente doce,
holandeses cobiçosos
chegaram como se fosse
sua própria casa ocupar,
abrindo porta e porteira
pra quem quisesse trabalhar.

De Portugal, perseguidos,
judeus lá foram aportar
fugindo da Inquisição,
que lhes proibia praticar,
no país sua religião.
Deixaram tudo pra trás
pra poder viver em paz.

Anos e anos depois,
Portugal reconquistou
a linda terra nordestina,
e sem dó logo expulsou
os judeus de triste sina,
que se dividiram em três
e de lá partiram de vez.

Uns seguiram pra Holanda,
sonhando com o amanhã;
outros foram pro Caribe,
mais perto, tentar a sorte;
outros pra Nova Amsterdã,
lá na América do Norte
– e quase encontraram a morte.

Esses últimos, coitados,
pelo meio do caminho
foram cruelmente atacados
‘cê nem imagina por quem:
um navio de piratas
do Caribe cobrando prata
e ouro pra tudo acabar bem.

Muitos anos se passaram.
Os ingleses conquistaram
aquela terra, e o povoado
de judeus e brasileiros
ganhou nome venerando
famoso no mundo inteiro:
Noviórque, é isso mesmo
Que você ‘tava pensando.

E quando, muito mais tarde
a França deu de presente
a Estátua da Liberdade,
em seu pedestal foi gravado
um poema da descendente
de um daqueles imigrantes
vindos do Brasil no passado.

No poema, tão bonito,
é como se a Estátua falasse
com os exilados aflitos,
sofridos, refugiados,
e a sua chama os guiasse
com generosa bondade
para o belo portão dourado
da Paz e da Liberdade.


Fonte: www.gresportela.com.br

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Dia mundial do doador de sangue


O Dia Mundial do Doador de Sangue se comemora em 14 de junho, doar sangue é um ato de solidariedade. Cada doação pode salvar a vida de até quatro pessoas, doe sangue para hospitais. Dê seu sangue por um projeto de vida, por um sonho.
Para salvar uma vida for necessária uma doação de sangue, só você cidadão, poderá fazê-lo. Por isso… ofereça-se, doe-se! Porque com este ato você faz uma Enorme Diferença!

Para fazer a doação é necessário:...
– Levar documento oficial de identidade com foto (identidade, carteira de trabalho, certificado de reservista, carteira do conselho profissional ou carteira nacional de habilitação);
– Estar bem de saúde;
– Ter entre 16 (dos 16 até 18 anos incompletos, apenas com consentimento formal dos responsáveis) e 69 anos, 11 meses e 29 dias;
– Pesar mais de 50 Kg;
– Não estar em jejum; evitar apenas alimentos gordurosos nas três horas que antecedem a doação.


Quem não pode doar?
– Quem teve diagnóstico de hepatite após os 11 anos de idade
– Mulheres grávidas ou que estejam amamentando
– Pessoas que estão expostas a doenças transmissíveis pelo sangue como AIDS, hepatite, sífilis e doença de chagas
– Usuários de drogas
– Aqueles que tiveram relacionamento sexual com parceiro desconhecido ou eventual, sem uso de preservativos.

Nelio Miguel jr
Doador de Sangue

Grupo Portelamor - NASP
Abrace essa causa.
www.portelamor.com

terça-feira, 13 de junho de 2017

Portela entrega sinopse do enredo de 2018 nesta quarta-feira

Por GRES Portela

A Portela irá apresentar a sinopse do enredo de 2018 aos compositores, nesta quarta-feira (14), a partir das 19h, na sede da Portelinha (Estrada do Portela 446, Oswaldo Cruz). Na ocasião, a carnavalesca Rosa Magalhães fará a leitura do texto. Em seguida, a diretoria da agremiação e a comissão que comanda a Ala de Compositores Ary do Cavaco vão informar as datas importantes do concurso de samba-enredo.

O enredo com o qual a Portela tentará o bicampeonato contará a saga de imigrantes em busca de liberdade e paz, mostrando como judeus fugidos da Europa no século XVII, com destino ao Nordeste do Brasil, tiveram papel fundamental na formação da cidade de Nova York. O título é "De Repente de Lá Pra Cá e Dirrepente de Cá Pra Lá..."


Enredo da Portela 2018

Na manhã da quarta-feira do dia 31 de maio de 2017, a Portela lançou um teaser, “De repente de lá pra cá e dirrepente daqui pra lá”, nome do enredo autoral de Rosa Magalhães para o carnaval 2018, o que suscitou discussões instantâneas nas redes, já que o vídeo apenas trazia umas poucas pistas, dentre elas, a imagem da Estátua da Liberdade e os versos da poetisa judia norte-americana Emma Lazarus (Nova York, 1849-1887), filha de uma rica família de sefarditas (termo usado para referir aos descendentes judeus de Portugal e Espanha). São dela os versos do soneto “The New Colossus”, que estão fixados em bronze aos pés da Estátua da Liberdade:

Não como a fama do gigante de Bronze, da Grécia,
com suas pernas conquista, espaçadas, todas as terras,
aqui em nossos portais lavrados pelo pôr-do-sol marinho,
uma mulher poderosa, com uma tocha, cuja flama
é o relâmpago aprisionado, e seu nome, mãe de todos os Exílios.
De seu punho farol brilha a acolhida abrangente, seus olhos meigos, comandam.
O porto, estendido nas alturas emoldurado pelas cidades gêmeas

“Guarde terras ancestrais, com sua pompa histórica!”,
grita ela com lábios silenciosos, “Dêem-me os cansados,
os pobres, suas massas apinhadas,
que anseiam por respirar em liberdade.
A recusa desventurada de seu porto abundante
envia a mim esses desabrigados assolados pela tempestade.
Ergo meu tocheiro ao lado do Portão Dourado”.
 
Manuscrito do Soneto

A atuação de Emma Lazarus em favor do povo judeu – usou o próprio dinheiro para ajudar seu povo, lutou contra a humilhante política de imigração a que seu povo era exposto, foi uma voz contra os massacres sofridos por sua gente, dentro e fora da América, o que a levou inclusive ao sionismo – é uma das pistas do teaser.

Além disso, a pesquisa de Rosa Magalhães também revela a história dos judeus pernambucanos que no século XVII saíram de nosso território, por conta da expulsão dos holandeses, rumo a Nova Amsterdã, futura Nova Iorque, após uma viagem de inúmeros percalços, uma verdadeira saga em busca de paz e de um lar. O detalhe de que somente 23 dos imigrantes conseguiram chegar à futura cidade de Nova York, tendo sido fundamentais para a sua fundação, é um detalhe luxuoso, um biscoito fino com que o enredo nos brinda.

Com todo esse potencial de criação, podemos ver que há nas mãos de Rosa Magalhães um grande manancial histórico, que vai diáspora, da migração, da xenofobia, da mistura cultural, da disseminação de arte, música, literatura e de crenças religiosas, às trocas transnacionais e transculturais, muitas vezes determinadas pela intolerância, pela perseguição.

A Portelamor, assim com os milhares de amantes e seguidores da Portela, também se encheu de curiosidade e ansiedade para adivinhar as surpresas que acompanharão a sinopse do enredo, a ser entregue no dia 14 de junho de 2017, às 19 horas, na Portelinha. Por isso, preparou para nossos amigos a indicação de uma série de vídeos, livros, artigos, trabalhos acadêmicos e especiais de TV que podem nos ajudar a matar a curiosidade. Façamos, nossas apostas, as fichas foram lançadas.
 
Vídeos e especiais de TV:
1. Vídeo do enredo da Portela 2018:
2. GloboNews Especial Judeus Pernambucanos 1ª parte:
3. GloboNews Especial Judeus Pernambucanos 2ª parte:
4. Trailer de O rochedo e a estrela, de Kátia Mesel:
5. Entrevista Kátia Mesel:
6. A estrela oculta do sertão, curta:
7. Sinagoga de Recife e a Rota Judaica em Pernambuco: caminhos de uma memória afetiva:
8. Judeus que saíram de Recife fundaram Nova York:
 
Referências bibliográficas:
 
Livros:
 
1. CARNEIRO, Paulo Caminhos cruzados: a vitoriosa saga dos judeus do Recife no século XVII – da expulsão da Espanha à fundação de Nova York. Rio de Janeiro: Autografia, 2016.
2. ESCRIVA, Jose Maria Plaza; KAUFMAN, Tania Neumann. Recife: a primeira sinagoga das Américas e a rota judaica de Pernambuco. Recife: Sandra Paro, 2013.
 
3. KAUFMAN, Tania Neumann. A presença judaica em Pernambuco. Recife: Edição do Autor, 2003.
4. MELLO, José Antônio Gonsalves de. Gente da nação. Recife: Editora Massangana, 1989.
Dissertações e artigos:
 
1. FONSECA E SILVA, Janaína Guimarães da. Modos de pensar, maneiras de viver: cristãos-novos em Pernambuco no século XVI. Dissertação de Mestrado. Disponível em:
 
 
2. CHAGAS, Eber Cimas Ribeiro Bulle das. Raízes judaicas no Brasil. Artigo. Disponível em:
 
 
3. FEITLER, Bruno. 500 anos de presença judaica no Brasil. Artigo. Disponível em:
 
http://books.scielo.org/id/583jd/pdf/lewin-9788579820182-05.pdf